online tests :D

a long ago i took an online test to discover how nerd i was… funny that i didn’t remember they offered a more comprehensive one! here are the findings! hahaha!


NerdTests.com says I'm a Kinda Dorky High Nerd. Click here to take the Nerd Test, get nerdy images and jokes, and talk to others on the nerd forum!

if the acronym BSG does make sense to you, i recomend you to take this test. :D

Posted in misc | Tagged , , | 3 Comments

once upon a time

wednesday morning. the alarm rings, and things are more like (dream theater – 6:00)

six o’clock and the siren kicks him from a dream
tries to shake it off but it just won’t stop
can’t find the strength but he’s got promises to keep
and wood to chop before he sleeps

well, in my case the clock showed 7. but that’s ok. then i look at the window and that dismay when you remember you go to work by foot: it is raining.

raining, raining
on the streets of new york city
raining, raining
raining deep in heaven…

“oh no… :(“ i thought.  everything changes when you have to get out under any kind of rain. drivers get lost, you get soaked, you find out that umbrellas are kinda useless if there’s wind as well, rain coats and nylon pants on top of your trousers and proper boots are needed…

the day before i had told myself that if it was the case of another morning under the rain, i would use my rain kit. and that just because my trousers got completely soaked from the knee down to my ankles.

so i picked the boots i used to wear during my days of winter in helsinki – they’re sort of water resistant -, nylon trousers on top of the jeans, a huge red rain coat (for cycling), and there i was on the street, feeling like a 5-year old kid and that sad sensation that rainy days are meant to be spent at home. to make me more miserable: i really don’t know what is worse:

  • getting wet due to rain
  • getting wet due to sweat

it’s the same doubt i have when it’s raining and i have to use rain gear while riding cycles (non- and motorized ones). oh my… :|

Posted in journal, motorcycling | Tagged , , | 2 Comments

the years go by…

and the “engine” gets bigger. today the new version is 4.0 (and counting!).

let’s see what happens next. and as it is becoming some sort of tradition, here goes:

Mais um ano que se passa
Mais um ano sem você
Já não tenho a mesma idade
Envelheço na cidade

Essa vida é jogo rápido
Para mim ou pra você
Mais um ano que se passa
Eu não sei o que fazer

Juventude se abraça
Se une pra esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou pra você

Feliz aniversário
Envelheço na cidade
Feliz aniversário
Envelheço na cidade

Meus amigos, minha rua
As garotas da minha rua
Não sinto, não os tenho
Mais um ano sem você

As garotas desfilando
Os rapazes a beber
Já não tenho a mesma idade
Não pertenço a ninguém

Juventude se abraça
Se une pra esquecer
Um feliz aniversário
Para mim ou pra você

Feliz aniversário
Envelheço na cidade
Feliz aniversário
Envelheço na cidade

IRA! – Envelheço na cidade
Posted in misc | Leave a comment

~900 km

thursday. 22nd day of december. i was supposed to prep everything in the night before but: i) i had an appointment with my gf, and; ii) it rained cats and dogs and the public lighting service got interrupted for several hours. i just fell asleep, woke up a few hours later, started to arrange things to the other living beings of this place (meine Katzen), ate something and only then started to prep luggage and other important things for my trip.

got down to mount the saddlebags, took a shower, put my “armor” – because a motorcycle rider looks more like knight than anything else -, and as i constantly do before any ride, slapped the air filter cover a few times and “hit the road, jack!” it is true that i left way too late (my short (?) trip began at 15h15), but better late than never, isn’t it?

the first 15 km cross the town in the south-north direction. the heat was extreme, and right after reaching the last 1/3 of this stretch the situation got even worse: lots of cars, filtering and lane splitting almost impossible for my bike. finally i managed to reach the highway i was supposed to take and then funny part of the trip had its place.

2h later and not much covered, i began to worry about the view ahead of me: have you ever seen the moment where there is no distinction between the horizon and the sky? that was the scenario: rain – it wasn’t a matter of if but when. i rode into it, confident that it’d be a passing and thin drizzle, but how wrong was i… 5 minutes passed and there was i at the roadside, putting the upper part of my rain kit. i also hoped that the water repellant i had sprayed two days earlier could do the job fine (given my drystar trousers failed miserably a week and half before, when coming back from a short ride and getting caught by the rain at nearly 10 k to go), but that countermeasure didn’t work either. after crossing the toll near a city called roseira i parked my bike and put the pvc trousers – aha! now i’m ready to go!

from the ground zero until the first stop (gas and food) the odometer showed 250 km, and i rode 75% of this distance under rain, which varied from a light drizzle to a storm – cars in front of me leaving that trail of water in form of spray (note: “better” – for a lack of an appropriate term – to be behind [and reasonably far from] a regular car than from a suv [aka Stupid User Vehicle] in situations like these). another interesting fact: i had the sensation, which can be extremely false, that rain while on a highway, doesn’t seem that perilous, as opposed to dangers it poses us in urban streets. this is something to be discussed.

after having a média (as per my understanding this is a simple coffee with milk – or café au lait, if you prefer :P, but in the canteen i was this was an espresso with milk, which is very odd) and two pães de queijo (literal translation: cheesebread) and flirting with some pastéis de belém (no idea how to say that in english), i payed the bill, dressed up again like an astronaut, but with a very useful addition! before eating my meal i asked the girl at the counter if she had those plastic gloves and if she could hand me a pair. the answer was affirmative and when i was about to put the leather gloves i put the plastic gloves first – and i asked myself why haven’t i had that idea before! o_O

some more kilometers on the highway and there was i crossing the border, entering the realms of the state i had left for good a few months ago. the sun was already gone and the doubt showed up: should i stay or should i go? in the sense that i should stop at the very first motel and have a night sleep or keep on riding. the point of no return was getting closer and a few meters before deciding i said inside the helmet: f*ck it! decided to go on. luckily the remaining 190 km were ridden in total absence of rain – actually the temperature was getting higher as i was getting closer to the capital, and in the penultimate toll of my commute i stopped and took off the rain kit – since a while back it was no longer needed.

riding in the night brings a whole new set of problems: i) oncoming headlights; ii) lack of visibility; iii) animals crossing (or in the middle of) the road and you failing to see them, to list a few. the key thing here is: a conservative approach – the place you’re heading to won’t go out flying around, then why trying to go so fast? pointless. besides, if under NTP the situation is already a snafu, needless to say that at night things can go miserably (more) wrong.

i managed to get the correct exit to an express route and before crossing the last toll – an urban one – i got a reminder that i was in the city – that infamous city. this was the only “near miss” – not even close to one, but for a lack of a better expression, i will stick to that. final kilometers and lots of cars – dudes! go home! it is more than 22h! -, and then the main entrance gets past. a few hundred meters and i see a familiar face and a smile that sounded like a “welcome back” greeting. :)

the ride back home (tuesday, 27th) wasn’t necessarily bureaucratic, i was just ok. after the first stop (at the same city as before, just across the highway) the heat piled up along the way, and every stop at a toll was a mix of chore and living hell: the stop-go-brake-stop-go-brake nature of the procession under a scorching sun until you pay and get past that situation is something i wouldn’t wish to anyone.

as i was reaching the mark of 230 km, the fuel reserve light got lit and that made me get a bit worried. i knew i had to ride for ~25 km more until home, but then the conversative approach took place and after entering the realms of the city i spotted a gas station and solved the issue. at that point it was a short ride of 14-15 km through the city (N-S direction). Alles war super, and i made it safe and sound. attributed to yogi berra is the saying: it ain’t over till it’s over. the journey of almost 900 km was declared ended successfully after i dismounted, but right before that i tapped on the air filter cover (i always talk to my motorcycle like that and say “good girl! we made it!” – ye callin’ me nuts? who isn’t? ha ha!), picked the parking lot credential and hung it on the mirror, removed the saddlebags and called it a ride. looking forward for the next!

Posted in harley, journal, motorcycling, night rod, travels | Tagged , , , , , | 2 Comments

um sorriso largo…

por conta de uma incompatibilidade de horários e/ou conflito de agenda, chegamos à conclusão de que o melhor seria trocar o que iria acontecer no sábado pela manhã para o domingo à noite. é verdade que eu estava um pouco cansado do girinho dado horas antes – o finzinho da manhã e parte da tarde haviam sido dedicados à rodovia e a um encontro com outros colegas de causa (detalhe para a chuva monumental que se aplacou sobre Oz e Barueri, quando já estava no caminho de volta pra casa, e não bastasse, ainda errei a meleca do trajeto, e por conta disso tive de dar quase meia volta ao mundo pra corrigir a mancada) -, e meio passado também, talvez por uma tímida falta de açúcar, coisa prontamente resolvida com um copo de toddy (reminiscências de infância?). a chuva – que não só lavou a alma, como também minha cueca – nem foi tanto o problema, mas sim os raios – e eu caçando desesperadamente um abrigo -: quando enfim corrijo meu erro eu encontro um viaduto, onde já se via parado outro colega igualmente esperando a coisa melhorar para seguir viagem. (nota: me impressiona a falta de informação das pessoas.. um camarada numa shadow, aguardando uma trégua da chuva, insistia em dizer que os pneus da moto serviriam de isolamento, assim não haveria problema em circular com aquela saraivada de raios… ah, se faraday soubesse disso!)

com a alma lavada, cueca ensopada, calça encharcada e jaqueta pingando, encaramos o restante de asfalto que faltava, para constatar que as imediações de mi morada não haviam visto qualquer gota de água. pior: havia sol! isso não foi legal.:P mas… faz parte de quem inventa essa moda.

enquanto me livro da tralha encharcada ao mesmo tempo que espero por ela, mato o tempo acompanhando partidas de futebol da bola oval (titans vs chiefs e [go] broncos vs patriots). eis que o telefone toca, e eu começo a me arrumar para o evento que havíamos programado. ela, ansiedade misturada com excitação. eu, preocupação – afinal, 2 up é sempre uma coisa de responsabilidade em dobro: acho que jamais me perdoarei se uma coisa vier a acontecer com quem quer seja andando comigo.

vestes postas, viseira (enfim) limpa, elevador, itens de segurança, briefing passado, montaria, partida. primeiro mini-desafio foi a ladeirinha para pegar o eje central: sozinho eu acho essa jogada freio traseiro-embreagem-acelerador meio catchy, mas ontem não tive surpresas. semáforos que vêm, asfalto e carros que vão, e um ás no volante (cacófato intencional, porque só isso poderia definir o nobilíssimo mautorista), para que não saíssemos incólumes de nossa jornada.

passado o susto, entramos na via que, se não é o cartão postal da cidade, com certeza é um de seus principais marcos. carros, carros, carros, gentes na calçada – vida, não? -, mais semáforos, calor, ventoinha do radiador acionada por quase todo o trajeto. e ela? mais adiante, quando paramos para jantar, ela me diz que a imagem do gizmo no carrinho, perambulando pelo centro de compras, era tão somente um arranhão na superfície da coisa, heheh. luzes de natal; módicas, frise-se, algumas bem inhazinhas, outras bem legais, e com o tour por essa via feito, voltamos ao eje central para terminar o passeio.

avistamos um restaurante, e como eu falara sobre o remorso que me dá quando almoço um lanche, paramos para que eu pudesse de fato comer. pergunto-lhe se está tudo bem (na verdade essa pergunta foi feita por diversas vezes ao longo do caminho), e minha recompensa é ver um sorriso largo quase sem precedentes. [só ela pra dizer se aquela era uma espécie de alegria pueril. assim me parecia. ;)] e eu? contente por vê-la contente, e tranquilo por saber que até então minha missão (em tempo: a missão de qualquer um que se preste a conduzir uma moto, estando com garupa, é a de fazer com que a vida de seu passageiro seja a menos traumática possível) estava indo no caminho certo.

conta paga, bucho cheio, mais uma vez paramentados e listos para a perna final do passeio. dali até o QG não era muita coisa, mas como comentei hoje, os 3-4 km finais, em particular voltando-se para casa, são os mais críticos (“anything can happen…“) – a atenção tem de ser redobrada.

eis que chegamos, sãos e salvos. abraços, beijos e sorrisos. aliás, difícil esquecer o tamanho desses sorrisos. ainda bem que tenho meu amigo 🎃 para me lembrar disso…

Posted in gotham, harley, journal, motorcycling, night rod, remarks | Tagged , , , , | 1 Comment

olhos de madeira

ontem (hoje já é 16.12) eu li um texto bem interessante sobre mudança de cidades. deixei como comentário o que segue abaixo:

um colega aqui comentou sobre sp (aka gotham city): cidade que recebe todo mundo, mas não acolhe ninguém. depois de ter passado quase 12 anos no rio (após 28 anos vivendo em minha cidade natal – bsb), sinto que esse dizer também se aplica àquela cidade. amigo de boteco é fácil de arrumar. em qualquer lugar, na verdade. hoje, na minha segunda mudança, percebo que a cidade mais funciona como um arcabouço, e a rotina é culpada por isso. ter um trabalho no esquema 9-18 faz com que o lugar onde se vive só seja efetivamente conhecido quando da vinda de gente de fora, dado que você vai servir de cicerone.

lendo o texto acima, só me resta concordar com o que está escrito, porque a coisa se dá exatamente dessa forma. quem é deixado pra trás fica preso numa realidade a qual você já não pertence mais, daí o estranhamento, o batimento. às vezes acontece um resgate de sintonia, talvez porque esse amigo que ficou também se sinta “misfit”, mas isso é fato raro. revisitar sua cidade traz uma série de lembranças e vários adjetivos para qualificá-las: tudo (ou quase) volta – a forma com que percebíamos coisas como clima, cheiro, vegetação, arquitetura, ruas (e a peculiar ausência de esquinas em brasília), da mesma forma que traz à mente o fato de que você não mais pertence àquela dinâmica. curioso é que a cidade que me abriga também não me pertence, e aí eu me torno uma espécie de “apátrida” (nessas horas eu sempre me lembro dos titãs – “não sou brasileiro / não sou estrangeiro…”).

a despeito do “desencaixe”, isso faz com que você observe as coisas de uma maneira completamente diferente, e isso é positivo, por te munir de ferramentas como distanciamento e estranhamento.

eis que isso também remete a uma resposta que dei a um amigo, quando ele me perguntou como estavam as coisas por aqui:

eu ainda apareço no rio, mas agora é naquele esquema en passant. preciso buscar minha moto e meus gatos até meados da 1a. semana do mês que vem, preferencialmente.

e sobre estar adaptado a gotham… é aquela coisa: não que o paulistano seja diferente do carioca, no que concerne essa coisa de achar que sua cidade é a mais top fucking mega blaster do universo – ambos acham isso e não abrem mão. boa parte do meu “problema” com rio reside na sensação, que pode ser falsa mas nada me mostrou o contrário, de que aí essa parada de lei de gerson é mais intensa.

outra foi o fato de eu ter de fazer deslocamentos longos para caçar o mesmo tipo de diversão que eu tinha quando morava no “quadradinho no goiás”. longe de dizer que o sistema de transporte coletivo daquela cidade é a melhor coisa do universo – nunca será -, mas o fato de eu estar no cine bsb em menos de 15 min, seja do fim da asa sul, seja do sudoeste, que foi onde passei a morar depois que meu velho foi pra reserva, é algo inominável. pra eu ir de casa ao cine “cult” mais próximo (barra point) era tarefa para pelo menos 25-30 min. fosse essa saída para o falecido (?) espaço unibanco @ botafogo, 1h no mínimo, fora o inferno que é pra se arrumar lugar pra estacionar por ali. tudo isso dificultou minha vida.

um terceiro aspecto é essa pretensa (e lembre que são generalizações: não tome isso como pessoal) hospitalidade e receptividade do habitante local: baita colóquio flácido para acalentar bovino. falava com o gordo (e seu andar amebóide, com pseudópodos) sobre isso e ele concordou com o caso: arrumar amigo pra ir pra rock, pro futebol e pra cerveja é mole (na verdade em qualquer canto isso é fácil). mas na hora do perrengue não fica um fdp pra te dar uma moral.

e voltando ao tópico gotham: eu procurei facilitar minha vida aqui, morando a menos de 2 km do trabalho e de uma estação de trem. no sábado passado eu saí para encontrar uma amiga num prédio perto do centro da cidade. foi pegar o trem na est. morumbi, baldeação na est. república para o metrô e descer na seguinte (anhangabaú – ok que as imediações do an*baú são horrorosas, mas isso é um capítulo à parte). easy peasy (aliás, tanto “easy .*” que nem vou trazer meu carro pra cá) . assim eu venho a pé para a lida. o fato de namorar uma menina da cidade também facilita um bocado o caso. e não lembro se cheguei a comentar, mas tenho parentes por parte de pai aqui. alguns reapareceram depois de muito tempo sumidos, e do nada resolveram voltar pro limbo – pessoas são esquisitas: ponto.

mas pra não dizer que eu sou 100% má vontade em relação ao rio, é claro que admito que há coisas a se fazer na cidade, sejam os “off-beaten tracks” ou os lugares manjados e repletos de turistas. o que atenuou um bom bocado minha impedância em relação ao rio foi ter começado a andar de bicicleta pra cima e pra baixo. só lamento que nenhuma das pessoas com quem topei, por conta da bicicleta, se firmou como uma amizade de fato. de qualquer forma, isso agora é história. :)

então é isso. eu diria que no geral a experiência está sendo positiva. novo lugar, nova vida, nova rotina, nova namorada, e naturalmente novos problemas. heheh

voltando ao tema inicial, o mais curioso é que essa sensação de desencaixe rola quando se sai de casa. você volta e:

  • é tratado como visita
  • seu quarto não é mais seu
  • você sabe onde tudo está ou como se dá a dinâmica da casa, mas não mais faz parte daquele cenário.

(me veio à memória uma situação ocorrida quando de uma visita que fiz ao meu pai, e nessa ocasião ele começou a discutir com minha irmã, por conta de um motivo pra lá de banal. eu ria por dentro, e me sentia super feliz com a mera posição de observador: não pertencer àquela discussão inócua era no mínimo regozijador.)

nota: o título da postagem é roubado do livro (homônimo) de um historiador italiano (carlo ginzburg), adepto da micro-história. são vários ensaios sobre estranhamento e distanciamento, e como utilizar isso para analisar fatos históricos. a leitura do livro é extremamente complicada, porque são vários ensaios não necessariamente encadeados – e por serem ensaios, há pouca preocupação com “didática”, ou uma preparação de terreno para os leitores: é tapa na orea o tempo todo.

 

 

 

 

Posted in journal, remarks | Tagged , , , | Leave a comment

y ahora josé?

brasil: quanto mais se lê a respeito, menos se tem vontade de saber sobre ele. 1o. o fato de os que vieram pra cá terem sido a escória lusitana. mais recentemente, saber que os que lá ficaram não eram os fidalgos originais, mas sim a 2a. linhagem – e aí a gente se lembra daquele interessante dito popular:

pai rico, filho nobre, neto pobre.

a história segue e a gente se recorda das práticas entreguistas dos patrícios em favor do mercantilismo bretão – e a pressão que esse país teria feito sobre a terra, cujo nome deriva de um pedaço de pau, para que esta acabasse com a escravidão. eis que num certo dia 13 de um maio não-qualquer uma senhora dá uma canetada, e a negada se vê alforriada. aquela comoção! festa, skindô, skindô! chega o “sábado 14” e vem aquela barred reality: e agora josé? (o autor dessa ainda não havia nascido) que será feito de nós? (alguns vários anos depois surgem medidas afirmativas, copiando em parte o modelo ianque, e eu me pergunto se isso não teria sido uma espécie de tentativa de reconciliação com os negros, em virtude do abandono pelo estado quando da alforria. por mais que digam que não era essa a proposta, eu não consigo largar mão desse pensamento…) tenho plena convicção (ha!) de que o lugar onde se aplica a famigerada cota é errado, posto que a peneira ali mais se parece com um filtro, e mesmo achando que o lugar é errado, um me corta e diz que se fosse ela aplicada em outro canto, ela não geraria massa de manobra para voto. vejo-me sem argumento, pois isso parece verdade.

surge então um fenômeno chamado lava-jato. e a turba compra a causa da operação, dada a campanha maciça da mídia em prol dela. o que a turba, sedenta de sangue (em sua grande maioria, gente de classe média, iletrada politicamente, e ainda inconformada pela ascensão de um analfabeto) não percebe (ou ignora) é que essa farsa é seletiva, e que todos os pássaros de plumagem predominante preta, com um detalhe branco no papo e de bico laranja e comprido ficam de fora – sabe o helicóptero? para o qual há provas, mas não convicção? poix.

até então não tava claro quem estava por trás dessa empreitada, mas parte do objetivo sim: derrubar uma legenda e seus principais representantes. vê-se que o resultado foi alcançado, uma vez que tivemos uma presidente destituída, e um partido mutilado – vai levar uns 15-20 anos para que ele se reerga, se lograr fazê-lo. mas aí você começa a brincar de lego:

  • artigo da carta capital, de 12 anos atrás, falando da diplomacia hipócrita dos eeuu, e do quão profunda é a interferência deles no mundo – depois se perguntam porque são a nação mais odiada do planeta…
  • um vídeo extremamente esclarecedor sobre como as FFAA e nossa casta política da época foram manipuladas e como essa manipulação se transformou em um golpe – o de 64
  • a destruição da petrobrás
  • a agora-não-mais-tácita mancomunação de alguns órgãos do país com entidades dos eeuu, com uma proposta entreguista (já cantaria leo jaime: uouo ô ô, nada mudou…)

e com essas peças se encaixando, de novo você se pergunta: e agora josé? pessoas ficam aí comprando o mote da luta contra a corrupção, e se indignando em virtude da insurgência de um certo presidente do senado (e o que dizer da inconstitucionalidade desse ato? e o precedente aberto, quando do afastamento do EC?), quando na verdade o que está em jogo são as rédeas do país – um verdadeiro cabo de guerra entre os que têm a legitimidade do estado para legislar, e a ditadura dos homi da capa preta (os intocáveis), endossada pelo PiG. com esse cenário de entreguismo que se anuncia, face às PPEECC que estão em vias de serem aprovadas, eu me pergunto se mesmo a legenda blindada pelos homi da capa preta terá reais condições de surfar nessa onda. (os movimentos do parlamento – a desfiguração das 10 medidas na câmara e a “insurgência” no senado – foram cartadas fantásticas. não que eu endosse essa não-representatividade que há muito já é característica dos políticos que nas duas casas estão – já faz tempo que eles representam os próprios interesses e os do partido [provavelmente nessa ordem mesmo], mas ainda assim, foram dois movimentos interessantíssimos, porque puseram os homi da capa preta em seu lugar.)

é um misto de desespero e desconsolo, sem precedentes. nessas horas a única coisa que me dá vontade de fazer é abrir a janela e gritar bem alto: vem logo, meteoro! já passou da hora de darmos um reboot nessa matriz.

Posted in journal | Tagged , | 1 Comment