Der Mann aus Metall

relato do dia 12/02. Viel Spaß!

— >8 corte aqui 8< —

sábado. sol. rodovia. você que anda me acompanhando já deve prever em que essa combinação se traduz: pedal, claro. prato do dia: Der Mann aus Metall, vulgarmente conhecido como HL (homem de lata).

o “homem de lata” é uma escultura de metal gigante na entrada de mogi das cruzes. ela é (mais) uma homenagem às bandeiras. sinceramente acho que se puséssemos a mão na consciência, pararíamos de homenagear pilhantes e que tais. (admito porém, que a escultura é bem “fotogênica”, e com esse céu então…)

a despeito da digressão… o roteiro é desafiador, não pela ausência de tristezas e alegrias, mas pelo fato de que é possível cumpri-lo em pouco tempo. consequência inevitável: carnificina e mortandade! HELL YEAH! (vai dizer que você, ciclista, não gosta do estrago? quanto pior melhor! 👹 e antevejo alguém me chamando de biruta. huahuah!)

puxar um pelotão, quando a velocidade é razoavelmente alta, se transforma em um constante diálogo mental. “pra quê?” é desagradável, sempre foi e sempre será. e não sucumbir ao mental é fundamental. claro que chega um momento em que seu físico já não atende mais, o que quer dizer que você não soube dosar muito bem o esforço – a faixa de trabalho está ali no _desconforto sustentável_: a boa e velha Z4.

voltando à velocidade… o que acontece é uma espécie de socialização do prejuízo, ou seja, todo mundo sofre por tabela. e essa é justamente a beleza da coisa: cannibal corpse no tablado tocando “make them suffer” e aquele festival de gravatas vermelhas penduradas, pouca conversa e muito sofrimento. (my happy place heheh!)

não é que eu seja sádico, mas acaba sendo inevitável. nunca é passeio, e raramente será. e me alegra o fato de que há desmiolados que também curtem essa abordagem. 😁

os números do dia: 4, 163, 34,7 e 9. de trás pra frente: 9 desmiolados, 34,7 km/h de média, 163 km percorridos e 4 furos.

agora é entrar numa banheira com gelo e fazer uma crioterapia de leve, porque a “moeção” foi total. no bate-papo pós-pedal só se ouve uma pergunta: “pra quê?” não faço a menor ideia. só sei que se não chover no sábado que vem, estaremos nos imolando nas rodovias mais uma vez.

About rennrad

It's all about two wheels, being them bicycles or motorcycles.
This entry was posted in cycling, journal, road cycling, training and tagged , , , , , , , . Bookmark the permalink.

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out /  Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out /  Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out /  Change )

Connecting to %s